Redação Extra MT 

Na manhã desta segunda-feira (10), uma fila de caminhões carregados com madeiras, se formou no Distrito Industrial, na BR- 364, na altura  do centro de fiscalização do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT).

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário e Pecuário de Mato Grosso (Sintap), a situação ocorreu devido uma obra do Corpo de Bombeiros, que está sendo executada ao lado da unidade e ,que , segundo informações da assessoria do Sintap,   estaria trancando o acesso ao pátio, onde os caminhões são vistoriados, dificultando o trabalho dos ficais do  Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea).

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário e Pecuário de Mato Grosso (Sintap), Rosimeire Ritter, que tomou conhecimento de toda a situação na manhã de segunda-feira (10), havia sido determinado pela equipe de engenharia da obra um tempo para que se fosse feita outra passagem.

“Como não foi tomada nenhuma providência, eles simplesmente trancaram o portão com vários pedaços de madeira, impedindo assim, os caminhões de adentrarem ao pátio para serem vistoriados e impedindo o trabalho dos servidores da unidade”, explicou ela.

Rosimeire ainda acrescentou que “São dois órgãos do Estado e esse é sem dúvida um problema do Estado e que queremos solução o mais rápido possível, pois nossos servidores não podem ser impedidos de exercerem seu oficio por irresponsabilidade do governo”, disse a presidente.

Ainda segundo o Sindicato, o Indea foi notificado sobre a execução da obra, porém não fez o planejamento necessário para adequar o atendimento em função do início de uma obra.

O Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso (Cipem) entrou em contato com o órgão que alegou não ter recursos para resolver a situação. Enquanto isso, o setor florestal acumula prejuízos com o atraso na entrega de produtos comercializados, agravado pela incidência de mais diárias no transporte. Além disso, a Guia Florestal (GF) tem um prazo de vencimento e, caso a situação de atraso continue, todas as cargas ficarão impedidas de seguir viagem.

Prejuízos –  Por esse único posto do Indea devem passar, obrigatoriamente, todas as cargas de produtos florestais do estado de Mato Grosso para fazer o processo de identificação de madeira. Pelo grande fluxo de veículos no local, atrasos no atendimento resulta em caos, como o que ocorre neste momento.

Prejuízos –  Por esse único posto do Indea devem passar, obrigatoriamente, todas as cargas de produtos florestais do estado de Mato Grosso para fazer o processo de identificação de madeira. Pelo grande fluxo de veículos no local, atrasos no atendimento resulta em caos, como o que ocorre neste momento.

(Com informações da assessoria)

Deixe uma resposta