Ge

Em entrevista exclusiva ao Planeta SporTV, o técnico Stanislav Cherchesov, da Rússia, encarou sem rodeios quase todas as principais questões relacionadas aos anfitriões da próxima Copa. Reconheceu que os donos da casa querem apenas ser competitivos diante da própria torcida e só tentou driblar o assunto quando teve que falar da chance de os jogadores brasileiros naturalizados defenderem as cores de seu país no torneio – a saber, o lateral Mario Fernandes, do CSKA Moscou, e o goleiro Guilherme Marinato, do Lokomotiv. Ao fim, até brincou sobre a semelhança que tem com outro natural do país pentacampeão mundial, seu colega de profissão Luiz Felipe Scolari.

A Rússia é a próxima adversária do Brasil, em amistoso marcado para o 23 de março, no Estádio Luzhniki. Depois, enfrenta Áustria e Turquia antes da Copa. Os anfitriões estão no Grupo A do torneio, com Uruguai, Egito e Arábia Saudita.

Confira abaixo as respostas completas do técnico:

PREPARAÇÃO DA SELEÇÃO RUSSA

– Nosso objetivo é montar uma seleção competitiva. Vocês acabaram de falar que a gente vai jogar em casa, e o dono ou dona da Copa tem que estar preparado.

Depois da Eurocopa, a gente mudou bastante coisa na seleção: mentalidade, jogadores

– Temos certeza que estamos no caminho certo, por isso durante a Copa teremos que mostrar e provar a nossa capacidade.

ZEBRA EM CASA?

– Somos realistas, sabemos que não somos a seleção mais forte. Tem seleção que prova a sua sustentabilidade com anos.

Queremos ser competitivos

– No esporte, pode acontecer tudo.

BRASILEIROS NATURALIZADOS NA SELEÇÃO RUSSA

– Guilherme estava na Copa das Confederações. Fernandes está começando a ser convocado com mais frequência.

Ninguém tem mais vantagem que outro

– Tudo vai ser decidido no campo.

E A SELEÇÃO BRASILEIRA?

– Eu sei o que era antes do Tite e o que ficou depois que Tite assumiu. E os mesmos jogadores, tirando algumas mudanças que ele fez, jogam futebol absolutamente diferente. Então, ele sabe o que faz e para que faz.

Tenho certeza que a seleção brasileira é muito competitiva e joga com estabilidade

SÓSIA DO FELIPÃO

A única diferença é que ele tem medalha de ouro de campeão mundial e eu só tenho gravata

– Eu de gravata com a medalha dele. Eu não sei. Os brasileiros entendem de futebol, podem comparar. Eu não tenho nada contra ficar parecido com o técnico da seleção que foi campeã do mundo. Eu acho que Felipão também não vai ficar chateado.

EX-GOLEIRO AGORA TÉCNICO

– Existe diferença, mas, se comparar meu papel de goleiro e técnico, tem muita coisa em comum. Aqui e ali você é responsável pelo resultado.

Nem aqui, nem ali, você pode errar

– Aqui você está sozinho e ali você também está só.

RÚSSIA 6 X 1 CAMARÕES, NA COPA DE 1994

– Tem dois momentos históricos. Primeiro, estávamos muito felizes pelo Salenko, que fez cinco gols. Nunca teve isso e talvez nunca terá mais. E o mais interessante: goleiro não deve ficar feliz por causa do gol sofrido. Durante o jogo, você não pensa nisso. Mas depois você repara que você, com seu gol sofrido, também entrou na história. Jogador mais velho da Copa fez gol em mim (Roger Milla).

HOOLIGANS E RACISMO NA RÚSSIA

– Eu não acho que a gente tem racismo em um tamanho grande que precisa ser combatido.

Com holigans, também não temos problemas. São casos isolados

– E como em outros países, essas pessoas são punidas. A gente fez Copa das Confederações, tudo de alto nível. Acho que a Copa também vai ser realizada em alto nível.

MENSAGEM PARA A TORCIDA BRASILEIRA

– Esperamos vocês no jogo do dia 23 de marco também, na fria Moscou.

Mas os nossos corações aquecerão vocês

– Esperamos vocês para a Copa. Repito, tudo será feito de alto nível.

Deixe uma resposta