“Não sou contra o nome social, qualquer um que quiser utilizar o nome social é só ir ao cartório, isso já é garantido por lei federal. Não tenho nada contra ninguém usar o nome social, nem como vereador e nem como cristão, aliás, a igreja está de portas abertas a qualquer um, não faz acepção, desde que respeitadas algumas regras e a nossa lei maior que é a bíblia”, defendeu o vereador da tribuna.

Toninho em conjunto com o vereador Lilo Pinheiro (PTB) apresentaram requerimento, até então subscrito por 17 vereadores para tornar sem efeito o decreto municipal.

Deixe uma resposta