Da Redação/Extra MT

Três integrantes de uma quadrilha de roubo e sequestro foram presos pela Polícia Judiciária Civil, no município de Sorriso (420 km ao Norte), na manhã desta sexta-feira (09.06), em investigações da Divisão de Roubos e Furtos (Derf).

A ação também resultou na apreensão de dois veículos, uma arma de fogo, quatro munições, um simulacro de fuzil, uma máquina de cartão e duas rodas de caminhão com pneus.

Paulo Cezar Dias da Silva, 30, Sinvaldo Pereira de Souza, 32, conhecido como “Baiano”, e Juliano Ramalho Dias, 30, foram autuados em flagrante pelos crimes de roubo qualificado e associação criminosa.

Na noite de quinta-feira (08), a Polícia Civil  foi acionada para apurar um roubo seguido de sequestro, ocorrido à tarde, no município de Vera (458 km ao Norte). Na ocasião, um caminhoneiro foi rendido e teve o caminhão com carga de milho tomado de assalto. O motorista foi levado até Sorriso, permanecendo amarrado e com os olhos vendados, cárcere privado. A vítima foi liberada somente na manhã desta sexta-feira (09).

Durante as investigações, a equipe da Derf conseguiu identificar Paulo Cezar como um dos autores. Ele foi surpreendido quando transportava, em um veículo Saveiro azul, duas rodas com pneus de caminhão, roubadas da vítima.

Entrevistado, o suspeito assumiu  participam no assalto e contou que manteve a vítima presa na casa de sua mãe, que está viajando. Em seguida, os investigadores localizaram o segundo envolvido, Sinvaldo Pereira, que também foi detido e levado à Delegacia de Polícia. Posteriormente, o terceiro suspeito, Juliano Ramalho, quem alugava as armas de fogo usadas em roubos, foi preso.

De acordo com o delegado, André Eduardo Ribeiro, o grupo criminoso, considerado de alto periculosidade, é responsável por pelo menos três assaltos praticados em Sorriso.

Para consumar os crimes, eles se passavam por funcionários usando uniformes de empresas terceirizadas. Além do roubo seguido de sequestro, a quadrilha efetuou  assalto em uma farmácia e outro a uma agência de turismo de onde um cofre foi levado.

“Os envolvidos não trabalham e tinham o roubo como profissão. A carga de milho subtraída foi vendida logo em seguida, rendendo aos criminosos cerca de R$ 6 a 7 mil”, completou o delegado.

As investigações continuam para prender outros integrantes da quadrilha, bem como identificar o receptador da carga de milho levada.

Fonte: Assessoria PJC

Deixe uma resposta