Única News

A senadora Selma Arruda (PSL), que vazou à imprensa um áudio entre ela e seu marqueteiro de campanha, o jornalista Kleber Lima, como prova de uma tentativa de extorsão do publicitário Júnior Brasa, da Gráfica Genius, se posicionou no grupo de whatsapp do Site Única News sobre o caso.

Segundo ela, “a única intenção que tive foi denunciar uma das tentativas de extorsão de que fui vítima naquela ocasião”.

“Infelizmente, tanto Kleber quanto Wilson Santos me chamaram de mentirosa, ao afirmarem que não presenciaram e nem participaram de nenhuma conversa a respeito. Para provar que estava falando a verdade, encaminhei o áudio que ele mesmo, Kleber, me mandou”, explicou.

Ela entende que a tentativa de “acordo” de Brasa, que queria um valor de R$ 600 mil para acabar com uma ação de cobrança no valor de R$ 1,1 milhão, caracterizou a extorsão.

“O que caracteriza a extorsão naquele caso é que estávamos às vésperas da audiência na ação eleitoral e, lá, o Sr. Brasa era testemunha chave. Kleber mesmo faz referências ao comentário dele de que ele estaria sendo procurado pelos advogados dos meus adversários. E o próprio Kleber afirma que não devíamos nem isso, ainda que perdêssemos a ação”.

“Ora, uma testemunha que lhe procura dias antes da audiência cobrando valor muito maior que o devido para fazer “acordo”, está ou não está te pressionando?”, questiona a senadora.

Ela afirma que não tem nenhuma dívida com o publicitário e que o contrato teria sido firmado com o partido e não com ela. “Por fim, para quem acredita na dívida que o tal Brasa diz que tenho com ele, esclareço que o documento que ele chama de prova é um e-mail com uma minuta de contrato, sem minha assinatura e nem a dele, que se refere ao ano de 2014, não 2018, e cujo contratante é o PSL e não Selma Arruda”.

Ela chama a atitude de “ridícula”. “É sobre esse papel ridículo, com o qual nunca anuí, que ele se firma para dizer que é credor de mais de R$ 1 milhão”, finaliza.

Deixe uma resposta