Por: Alexandra Freire

O deputados federais José Medeiros (PSL) e Aliel Machado (PSB-PR) quase chegaram às vias de fato. A discussão acalorada ocorreu na tarde desta quarta-feira (24), após reportagem publicada pelo jornal Folha de São Paulo revelar que lideranças do presidente Jair Bolsonaro (PSL), na Câmara Federal, teriam oferecido a bagatela de R$ 40 milhões em emendas parlamentares até 2022, para que os deputados fossem favoráveis à Reforma da Previdência.

Da tribuna, Aliel discursava sobre a reportagem em tom de indignação. “O governo está ofertando cargos!”. O deputado por Mato Grosso interrompeu a fala do colega e esbravejou: “não nos meça pela sua régua”.

José Medeiros o chamou também de ‘vagabundo’, e os ânimos ficaram exaltados. Tanto que outros parlamentares tentaram apartar a discussão antes que algo mais grave acontecesse. O deputado federal Nelson Barbudo (PSL) correu para a tribuna para apartar a briga.

Conforme a publicação, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), é quem ofereceu a quantia. Ao menos cinco líderes de partidos [DEM, PP, PSD, PR, PRB e Solidariedade] governistas confirmaram ao jornal a empreitada. Assinam a reportagem as jornalistas Angela Boldrini , Camila Mattoso e Ranier Bragon.  A proposta teria sido feita pelo próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na semana passada.

“A estratégia de Onyx representa um acréscimo de 65% no valor que cada deputado pode manejar no Orçamento federal de 2019 para obras e investimentos de infraestrutura em seus redutos eleitorais. Hoje, os congressistas têm direito a R$ 15,4 milhões em emendas parlamentares. Com os R$ 10 milhões extras por ano, esse valor pularia para R$ 25 milhões”, diz trecho da reportagem.

O governo Jair Bolsonaro tem tido dificuldade para avançar as discussões relativas a proposta da Reforma da Previdência na Câmara.

Deixe uma resposta