Redação Extra MT

Com R$ 8 milhões em medicamentos e insumos e mais uma licitação em andamento no valor de R$ 20 milhões, a Prefeitura de Várzea Grande inaugurou as novas instalações do Centro de Abastecimento e Distribuição de Insumos e Medicamentos – CADIM. A novas instalações trarão  mais transparência, eficiência e resultado na política de atendimento para os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Na reformulação organizacional,  o CADIM  vai concentrar em um só espaço os serviços de aquisição, distribuição e dispensação de medicamentos e insumos hospitalares, das redes de atenções básica, secundária e terciária, no atendimento e aprimoramento do SUS do município.

A unidade de saúde  segue normas e padrão de qualidade do Ministério da Saúde (MS), com emprego de itens de segurança e de tecnologia de ponta. Para a prefeita Lucimar  Campos enfrentar o desafio da informatização na distribuição de medicamentos é promover a transparência numa das áreas prioritárias de atendimento aos cidadãos e também evitar gastos desnecessários e prejuízos para a população.

“O Sistema Único de Saúde é a principal conquista da população no âmbito das políticas públicas. Por isso é fundamental praticarmos de fato a indispensável transparência na gestão, usando a tecnologia a serviço da saúde pública. O novo CADIM é informatizado, e permite controlar a aquisição casada com a distribuição, evitando desperdício e vencimento de produtos e permitir que haja a troca de medicamentos com outras secretarias municipais para não ocorrer a perda de validade dos mesmos. Primamos por uma Gestão Pública eficiente e esta eficiência chegou à Gestão de medicamentos”, disse a prefeita.

Com 1.250 metros quadrados, o novo prédio é totalmente climatizado e atende as normas do Ministério da Saúde, no que se refere à distribuição, controle de qualidade e prazo de validade dos medicamentos. O local oferece também toda a estrutura necessária para armazenamento dos lotes referentes a tipos de medicamentos, tanto os de consumo da Assistência Farmacêutica Básica como os das Assistências secundárias e terciárias, além de insumos hospitalares.

“Temos o compromisso de atender as políticas de organização da Rede de Serviços da Saúde Pública, com atendimento humanizado e assistência farmacêutica de excelência.  Em Várzea Grande, podemos assegurar que não há falta de medicamento e que o setor tem sido um dos que mais recebem investimentos, tudo para garantir a saúde pública dos usuários do SUS.”

Lucimar também lembrou que as aquisições dos medicamentos e insumos hospitalares hoje chegam à margem de R$ 8 milhões, o que garante o fornecimento integral dos medicamentos necessários e que fazem parte da obrigação do município em garantir.

Os medicamentos no seu armazenamento, segundo o secretário de Saúde de Várzea Grande, Diógenes Marcondes, seguem as portarias ministeriais no que se refere à climatização necessária para que os produtos não percam a qualidade. “Tanto os medicamentos normais como os termolábeis (vacinas, insulinas) e psicotrópicos (remédios controlados), seguem regras e temperaturas necessárias para a sua estocagem. “A vantagem é manter a qualidade e eficácia do produto”.

O secretário lembra ainda que desde 2015, a administração municipal tem se empenhado em oferecer ao município uma distribuição de medicamentos rigorosos e sem atrasos. “Em busca dessa otimização a prefeita Lucimar Campos investiu em equipamentos, em tecnologia e na capacitação dos servidores, a fim de se obter um trabalho transparente e eficaz, baseado em logística de programação e compra. Prova disso é a nova sede do CADIM que dispõe de toda a segurança, tanto no armazenamento quanto no transporte dos medicamentos que são entregues em todas as unidades de saúde do município, e o mais importante, sem que haja nenhum tipo de contratempo e nem atrasos na entrega”.

Segundo o secretário, graças ao novo modelo de gestão em medicamentos adotados pelo CADIM, o município passa ter um controle mais apurado e eficaz, tanto na compra quanto na distribuição dos medicamentos e isso se deve a toda uma logística implantada no local, o que tem feito a diferença nos resultados atuais. “E o motivo deste esforço logístico é o de não interromper o atendimento em nenhuma unidade de saúde, principalmente, no Hospital e Pronto Socorro de Várzea Grande, bem como nas Unidades de Ponto Atendimento – UPA dos bairros Ipase e Cristo Rei”, assegurou.

Compartilhar
Notícia anteriorPrescrição
Próxima notíciaPor uma semana

Deixe uma resposta