Olhar Direto

O governador Mauro Mendes (DEM) entrega nesta terça-feira (08) um pacote de reformas, que inclui o corte de secretarias e de servidores, que segundo sua equipe econômica significa o primeiro passo para o reequilíbrio das contas do Estado.

Os projetos serão detalhados durante uma coletiva de imprensa, logo após a entrega aos parlamentares. Uma prévia dos textos, no entanto, será entregue ainda nesta manhã ao presidente do Legislativo, Eduardo Botelho (DEM). Allan Kardec (PDT) e Silvano Amaral (MDB), membros do staff de Mendes, permanecem na Casa de Leis até o fim do mês para garantir a aprovação das matérias.

“A dificuldade financeira é grande e não se resolve com um passe de mágica. Vamos buscar equilibrar o caixa com muito trabalho e dedicação. Nós estamos fazendo a nossa parte e estamos solicitando a contribuição dos demais Poderes também”, afirmou Mauro Mendes.

Um dos projetos que será entregue nesta tarde trata de uma de Lei de Responsabilidade Fiscal especifica para o Estado. De acordo com o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, a legislação permitirá que as despesas do Estado só aumentem de acordo com aquilo que o Executivo possa suportar.

“Nós temos uma proposta e uma linha de responsabilidade fiscal estadual, para que se tenha muito claro que não se assuma compromissos financeiros sem que haja uma análise muito efetiva, não só ao próprio exercício, mas também ao exercício futuro”, disse Gallo.

De acordo com Mauro Mendes, os projetos que serão apresentados aos deputados nesta terça-feira farão com que seja possível criar um ambiente de gestão e financeiro para o restabelecimento do pagamento dos salários dos servidores, renegociação de dívidas com fornecedores, municípios e Poderes, assim como melhorar os serviços prestados pelo Estado nas áreas que o cidadão mais necessita, como Saúde, Educação, Segurança e Infraestrutura.

Entre as propostas Mendes irá incluir, ainda, o novo modelo de estrutura governamental que diminuirá de 24 para 15 secretarias e deverá provocar o corte de pelo menos 3 mil servidores que ocupam cargos de confiança no Governo. Entre as medidas está também a extinção de empresas estatais e mistas.

 

Deixe uma resposta