Redação Extra

Pinheiro expõe sua indignação com a falta de respeito com a população e afirma que se as atividades do transporte coletivo não forem retomadas hoje, vai tomar providências na Justiça

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) declara,  por meio de nota, que classifica a greve dos marmoristas do transporte coletivo da Capital, que se estende à cidade vizinha, Várzea Grande,  como ilegal.

De acordo com trecho da nota, Pinheiro lembra que “o movimento é ilegal, uma vez que acontece sem o aviso prévio de 72h estabelecido por lei, e que 30% da frota deveria, entendendo  que o transporte público  é um serviço essencial e também um direito social.”

Buscando soluções,  Emanuel Pinheiro já determinou para o secretário de Mobilidade Urbana (Semob), Antenor Figueiredo, que  se reúna com representantes do sindicato dos Motoristas e das empresas” para buscar uma solução para o retorno do transporte coletivo imediatamente, não deixando os usuários descobertos  por mais tempo.”

Ele também diz em nota, que vê com estranheza a paralisação logo após a o lançamento do edital de licitação do transporte coletivo. “Procedimento que não era realizado há 17 anos e que vai modernizar o transporte público de Cuiabá”, cita trecho da nota.

Pinheiro expõe sua indignação com a falta de respeito com a população e afirma que se as atividades do transporte coletivo não forem retomadas hoje, vai tomar providências na Justiça.

Deixe uma resposta